segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Datafolha prova que eleição é um negócio arriscado para o PSDB

A manchete da Folha é "Marina é líder em todos os cenário de 2º turno". Mas é claro que a pesquisa Datafolha tem dados muito mais significativos do que esse. Marina Silva seria uma candidata perigosa se pudesse passar a campanha inteira olhando para o lado, fingindo que as questões não são com ela. Olhei a página pessoal e o twitter dela. Não existe um pronunciamento sobre a proposta de reforma da Providência. Só frases de efeito sobre combate à corrupção, que poderiam ser do Rogério Chequer. O último tuíte de Marina, de anteontem, é "A poeira não irá baixar se não limparmos de vez a lama da corrupção". O destino de Marina é se liquefazer na campanha eleitoral. A pesquisa comprova, isso sim, que a eleição é um negócio arriscado para o PSDB. São testados cenários com Aécio Neves, José Serra, Geraldo Alckmin e Sergio Moro e eles oscilam entre 8 e 11 pontos percentuais. Só com Moro haveria chance de chegar ao segundo turno. E o dado mais importante é que Lula lidera em qualquer cenário de primeiro turno e ganha no segundo turno de qualquer candidato, exceto Marina. Isto apesar da avalanche de acusações, insinuações e mentiras contra ele, todos os dias, há anos. A campanha eleitoral seria a chance para que Lula, finalmente, pudesse apresentar seu lado. A Folha destaca que Lula mantém alto índice de rejeição, o que também era de se esperar. Os fatos relevantes, porém, são outros. Primeiro, a rejeição a Temer é hoje maior do que a de Lula. Ou seja, a oposição ao governo golpista se tornou um trunfo eleitoral. Depois, algo que a reportagem nem sequer menciona: apesar do cerco incessante, a taxa de rejeição a Lula está em queda desde o início do ano. Estava em 57% em março, caiu para 53% em abril, para 46% em julho e chegou a 44% agora. Não se sabe, porém, se deixarão Lula ser candidato. Os números da pesquisa geram incentivos contraditórios: para que, finalmente, seja perpetrado o golpe final, com a inelegibilidade de Lula, evitando uma possível vitória eleitoral, mas também para a prudência, já que uma ação assim pode ser a gota que falta para a convulsão social que está sendo cozinhada no Brasil. Resta saber ainda se Lula é o candidato de que as esquerdas precisam. O governo que ele fez nos dois primeiros mandatos não é mais possível. A hora exige alguém com uma disposição de mobilização e enfrentamento, mais do que de apaziguamento e concessão. Maquiavel já dizia que o principal limite à virtù é a inflexibilidade diante das circunstâncias, o apego a velhas formas de agir mesmo quando elas pararam de funcionar. Lula ainda não mostrou ter superado esse limite. (texto originalmente publicado em seu Facebook) http://www.brasil247.com/pt/colunistas/luisfelipemiguel/269986/Datafolha-prova-que-elei%C3%A7%C3%A3o-%C3%A9-um-neg%C3%B3cio-arriscado-para-o-PSDB.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário