terça-feira, 9 de junho de 2015

Onde estão os protestos de João Doria e Walter Feldman contra a corrupção na CBF?

 

Por Kiko Nogueira

Feldman e Doria

Feldman e Doria

O presidente-até-o-momento da CBF, Marco Polo Del Nero, se afundou mais um pouco em seu pântano com uma nova história segundo a qual seria o “homem forte” das negociações da entidade desde a época de vice de Marin.

De acordo com o Estadão, ele recebeu empresários para tratar de contratos com um executivo que está sendo interrogado na Suíça pelo Ministério Público.

Para os puxa sacos e desavisados de sempre, a gestão Del Nero era vendida como “renovação”. Duas contratações viraram símbolo disso. Walter Feldman, secretário-geral, veio com o mesmo papo magro que usou na campanha de Marina Silva, em que trabalhou como coordenador. Era preciso esquecer o passado, daqui pra frente tudo vai ser diferente etc.

Feldman teve um trajetória triste no PSDB antes de desembarcar na Rede. A ambição nunca se igualou à capacidade de ganhar votos. Foi serrista quando isso existia, saiu do partido atirando em Alckmin, voltou para a medicina — agradecendo a mamãe, naturalmente — e encontrou abrigo com Marina, tornando-se especialista automático em “sustentabilidade”.

Apanhado no tiroteio, pensou que retirar o nome de José Maria Marin da sede no Rio de Janeiro resolveria os problemas. Sua página no Facebook sumiu do ar na semana passada.

A situação de Feldman talvez só não seja tão complicada quanto a do chefe e a de outro personagem cuja nomeação causou surpresa até mesmo em Galvão Bueno: o lobista João Doria Jr..

Doria é velho amigo de Del Nero e uma indicação de Aécio Neves. Assumiu como chefe de delegação misteriosamente, sem qualquer tipo de serviço prestado ao futebol (como se se tratasse disso, na verdade).

Indagado sobre o cargo do chegança, Del Nero saiu-se com uma tirada em seu agora falecido estilo cesarista. “Não quero mais ouvir falar em caixa-preta, quero mostrar o que mais podemos fazer. Trouxemos um homem como o João Dória, que é jornalista e torce pelo Brasil.” Caixa preta?

Convenhamos que é um currículo pobre para a função, seja ela qual for. Doria é o autor, entre outras coisas, do inesquecível movimento Cansei, uma espécie de pré-MBL de bacanas entediados no governo Lula. Doria, na época um Kim Kataguiri de gumex e banho tomado, tentou provocar passeatas anticorrupção e acabou ridicularizado inclusive por Fernando Henrique Cardoso.

Nos últimos meses, em seu programa traço de tv ou em seus encontros com empresários em resorts, virou uma voz insistente pelo impeachment (sua obsessão pelo tema fez com que passasse vergonha num Roda Viva com Eduardo Cunha). “A corrupção, como metástase, propaga-se e a sociedade clama por uma cirurgia rápida. Antes que seja tarde”, escreveu na Folha de S.Paulo.

Esse tipo de indignação não inclui, obviamente, os amigos. A roubalheira na Fifa e na CBF foi escancarada e Doria nunca mais foi visto. “Destruir um patrimônio como o futebol não faz bem para o Brasil”, disse Feldman, queixando-se das críticas. Mostrar o caminho de casa a gente como esses três é uma maneira de proteger o esporte.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

Sobre o Autor
Diretor-adjunto do Diário do Centro do Mundo. Jornalista e músico. Foi fundador e diretor de redação da Revista Alfa; editor da Veja São Paulo; diretor de redação da Viagem e Turismo e do Guia Quatro Rodas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário