segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Temer se abraça a Geddel


A rapidez com que a Comissão de Ética Pública da Presidência da República decidiu analisar o caso de Geddel Vieira Lima, incluindo o assunto na pauta da reunião de hoje, forneceu o pretexto a Michel Temer para adiar (e se possível evitar) a demissão de seu ministro do peito no Governo. A decisão palaciana de aguardar a decisão já começa a aparecer nas falas de líderes governistas como Aloysio Nunes Ferreira. Um pedido de vistas, porém, adiou a decisão para dezembro. Abraçando-se a Geddel, mantendo-o na frigideira com fogo alto, Temer receberá os respingos no rosto. Os próprios aliados do golpe não concordam com tal desmoralização: precisam de um governo que consiga pelo menos manter as aparências, preservando a compostura mínima para se manter de pé.
A semana que hoje começa traz um aumento das complicações para a sobrevivência do governo. A combinação entre a crise moral e a derrocada econômica pode ser devastadora daqui para a frente. A situação do Rio e dos estados em geral, todos a caminho da quebradeira, exige uma medida federal. Na semana passada a proposta palaciana de destinar ao socorro federativo parte dos R$ 100 bilhões que o BNDES foi obrigado a devolver antecipadamente ao Tesouro foi vetada pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Este dinheiro já foi usado nominalmente para reduzir o déficit. Valer-se dele aprofundaria o déficit primário de R$ 170 bilhões estimado para este ano. Se nada for feito, virá o efeito dominó. As delações esperadas para dezembro farão o resto. Em outra frente, empresários e agentes econômicos se impacientam com a falta de medidas para descongelar a econômica. Mas cada medida do governo, como esta desidratação do Banco do Brasil, aponta para mais recessão.
Daqui para a frente, mesmo a contragosto, a Lava Jato está compelida a avançar sobre o PMDB, enquanto poupa os tucanos. A percepção de suas roubalheiras combinadas com a desastrosa política econômica que aprofunda a recessão e o desemprego, em condições normais, produziria agora uma onda de “Fora PMDB”. Mas onde andam os indignados que há poucos meses gritavam “Fora PT”?
Se o computador do procurador Deltan Dallagnol funcionar, a montagem do power-point de Temer no centro do esquema peemedebista, nos moldes do que foi feito para Lula, sairá automaticamente, escreveu hoje o colunista da Folha de S.Paulo Celso Rocha de Barros. Aqui vai um primeiro exercício sobre o Power Point do Temer, ligado por setas a uma teia de peemedebistas presos, investigados ou denunciados: Jucá, Geddel, Eduardo Cunha, Sergio Cabral, Valdir Raupp, Renan Calheiros, Sergio Machado, Moreira Franco e outros tantos. Brinque você mesmo. Neste site você pode editar como quiser o Power Point que Dallagnol fez para Lula.
http://www.brasil247.com/pt/blog/terezacruvinel/266401/Temer-se-abra%C3%A7a-a-Geddel.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário