quinta-feira, 30 de junho de 2016

Aécio se alia a Temer na defesa de Cunha

Um grupamento de inspirar o velho Barão
Um grupamento de inspirar o velho Barão
De onde menos se espera é que não sai nada mesmo. O Barão de Itararé, com sua mordacidade, não se cansa de acertar na mosca mesmo no mundo político distante do período em que deixou este planeta. Apparicio Torelly, o Barão, morreu em 71, mas continua atualíssimo. E o que será que ele pensaria deste jogo político que reúne o réu Eduardo Cunha, o presidente interino Michel Temer e o último candidato da oposição à Presidência, Aécio Neves?

Trata-se, portanto, de uma força tarefa que busca salvar o mandato de Eduardo Cunha - o mais pernicioso político a ocupar a presidência da Câmara. Bata lembrar que, com uma base parlamentar particular maior do que a de qualquer partido, controla votos de parlamentares capazes de aprovar ou rejeitar qualquer projeto enviado à Câmara. Envolvido em corrupção e lavagem de dinheiro, prestes a deixar a vida pública, portanto, ele recebe agora a ajuda do presidente interino e do senador tucano - ambos também citados em projetos da Lava-Jato.
Leia no final da reportagem outras frases do Barão de itararé
Enrolado até o pescoço com a Lava Jato e sob risco de perder o mandato no plenário da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB) demandou ajuda do interino Michel Temer (PMDB) para emplacar o sucessor na Casa e, dessa maneira, continuar controlando aliados e aumentar suas chances de reverter a cassação. Solidário, Temer acionou "pessoalmente" o presidente do PSDB, senador Aécio Neves, para cumprir a missão de salvar a pele do correligionário.
Segundo informações da Folha de S. Paulo desta quinta (30), esse foi o motivo da visita de Cunha ao Palácio do Jaburu, no último domingo. Mas edição de O Globo diz que Temer conversou com Aécio sobre o assunto já na semana passada.
A ideia, de acordo com fontes anônimas ouvidas pelos dois jornais, é que a antiga oposição ao governo Dilma Rousseff deixe de tentar eleger um sucessor para Cunha e apoio o nome sugerido pelo PMDB. Este nome, claro, deve agradar a Cunha e aliados - uma maneira de manter a influência do presidente afastado da Casa pelo Supremo Tribunal Federal.
Se conseguir fazer valer a demanda, Temer também evitará uma disputa "fraticida" em sua base em torno da presidência da Câmara - indesejável para um presidente interino que aguarda o desfecho do processo de impeachment.
Segundo O Globo, "Temer explicou a Aécio que desejava ajudar na eleição de um presidente da Câmara que não trabalhe pela cassação do mandato de Cunha. O nome que melhor se encaixa nesse perfil, na análise do Planalto, é o do deputado Rogério Rosso (PSD)."
"Segundo relatos, Temer demonstrou preocupação com Cunha, que tem buscado a ajuda do governo para não ter o mandato cassado", acrescentou o periódico.
Aécio, de acordo com os jornais, sinalizou que o bloco formado por PSDB, PPS, PSB e DEM só deixaria de entrar na disputa atual pelo sucessor de Cunha caso o PMDB apoio um nome indicado por eles para presidir a Câmara no mandato 2017-2018.
A negociação ainda sofre resistência de parte do próprio PSDB, que teme associar sua imagem à eventual salvação de Eduardo Cunha - que precisa manter o mandato para ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal. Caso contrário, seus inquéritos na Lava Jato, entre outros, serão remetidos à primeira instância.
Pela edição da Folha, uma ala do PSDB está "desconfortável" não só com o pedido para abrir mão da disputa pela presidência da Câmara agora, mas com a pressão para salvar o mandato de Cunha no plenário caso o parlamentar renuncie. Ao O Globo, um tucano não identificado disse que o partido não apoia essa parte da negociação.
Na próxima semana, a antiga oposição ao governo Dilma se reúne para debater o desfecho da história.
"A ideia é ter um acordo o mais breve possível, já que a renúncia de Cunha à presidência da Câmara está prevista para o próximo mês. Interlocutores de Cunha dizem que ele está disposto a apresentar sua renúncia em 11 de julho, antes da votação do relatório sobre o processo de cassação do seu mandato na Comissão de Constituição de Justiça", endossou o jornal.
Se Cunha renunciar à presidência, seus processos no Supremo deixariam de ser apreciados pelo plenário - prerrogativa de presidente da Câmara - e passariam para a Segunda Turma, presidida por Gilmar Mendes.
Além disso, ele ganha a chance de angariar votos a seu favor para quando seu processo de cassação chegar ao plenário. Seus aliados dizem que sem a renúncia, é impossível votar contra a cassação, dado o prejuízo com a população em pleno ano eleitoral para muitos deputados que querem concorrer ou emplacar aliados em prefeituras.
Resta saber o que Temer ganha - ou deixa de perder - salvando a pele de Eduardo Cunha.
Do GGN
Barão , o mordaz,  não aliviaria os políticos atuais
Barão , o mordaz, não aliviaria os políticos atuais
Sobre o Barão do Itararé, é sempre bom recordar algumas frases:

Da Redação
O que se leva desta vida é a vida que a gente leva.
A criança diz o que faz, o velho diz o que fez e o idiota o que vai fazer.
Os homens nascem iguais, mas no dia seguinte já são diferentes.
Dizes-me com quem andas e eu te direi se vou contigo.
A forca é o mais desagradável dos instrumentos de corda.
Sábio é o homem que chega a ter consciência da sua ignorância.
Não é triste mudar de ideias, triste é não ter ideias para mudar.
Mantenha a cabeça fria, se quiser ideias frescas.
O tambor faz muito barulho, mas é vazio por dentro.
Genro é um homem casado com uma mulher cuja mãe se mete em tudo.
Neurastenia é doença de gente rica. Pobre neurastênico é malcriado.
De onde menos se espera, daí é que não sai nada.
Quem empresta, adeus.
Pobre, quando mete a mão no bolso, só tira os cinco dedos.
O banco é uma instituição que empresta dinheiro à gente se a gente apresentar provas suficientes de que não precisa de dinheiro.
Tudo seria fácil se não fossem as dificuldades.
A televisão é a maior maravilha da ciência a serviço da imbecilidade humana.
Este mundo é redondo, mas está ficando muito chato.
Precisa-se de uma boa datilógrafa. Se for boa mesmo, não precisa ser datilógrafa.
O fígado faz muito mal à bebida.
O casamento é uma tragédia em dois atos: um civil e um religioso.
A alma humana, como os bolsos da batina de padre, tem mistérios insondáveis.
Eu Cavo, Tu Cavas, Ele Cava, Nós Cavamos, Vós Cavais, Eles Cavam. Não é bonito, nem rima, mas é profundo.
Tudo é relativo: o tempo que dura um minuto depende de que lado da porta do banheiro você está.
Nunca desista do seu sonho. Se acabou numa padaria, procure em outra!
Devo tanto que, se eu chamar alguém de "meu bem", o banco toma!
Viva cada dia como se fosse o último. Um dia você acerta.
Tempo é dinheiro. Paguemos, portanto, as nossas dívidas com o tempo.
As duas cobras que estão no anel do médico significam que o médico cobra duas vezes, isto é, se cura, cobra, e se mata, cobra.
O voto deve ser rigorosamente secreto. Só assim, afinal, o eleitor não terá vergonha de votar no seu candidato.
Em todas as famílias há sempre um imbecil. É horrível, portanto, a situação do filho único.
Negociata é um bom negócio para o qual não fomos convidados.
Quem não muda de caminho é trem.
A moral dos políticos é como elevador: sobe e desce. Mas em geral enguiça por falta de energia, ou então não funciona definitivamente, deixando desesperados os infelizes que confiam nele.
Veja também:
>> Mídia brasileira é vista como parcial em pesquisa de opinião
>> Rede, de Marina e Molon, faz aliança com PSC, de Feliciano e Bolsonaro
>> Federal prende Carlinhos Cachoeira. Crimes somariam R$ 370 milhões
>> Cruvinel e a falta de pudor de Michel Temer
>> Sobe para 41 o número de mortos na Turquia
http://www.conexaojornalismo.com.br/colunas/politica/brasil/aecio-se-alia-a-temer-na-defesa-de-cunha-73-44327

Nenhum comentário:

Postar um comentário