sábado, 4 de março de 2017

LINDBERGH CRITICA A “EMPÁFIA SENHORIAL DE FHC”

Por Lindbergh Farias, em seu Facebook
À primeira vista, a nota do presidente de honra do PSDB, FHC, publicada há pouco com destaque no site do partido, pode parecer um mero ato de desespero que começa a tomar conta do arraial tucano, após a publicação das pesquisas com Lula em primeiro lugar para presidente da República. Mas, mais que isso, a empáfia contida em cada linha e sílaba da nota exprime a empáfia senhorial digna de quem se acha acima da lei e atingiu à condição de inimputável (a quem nunca a justiça julga nem atribui culpa).
Os tucanos se acham inimputáveis por que nunca foram julgados. A realidade de escapar a julgamentos não acontece por obra e graça do espírito santo, mas das relações sociais dominantes no Brasil. Eles são - para usar a terminologia de Raymundo Faoro - os representantes dos donos do poder, o estamento político que se mantém no aparelho de Estado desde a colônia, o patronato político brasileiro.
Esses senhores, nem em sonhos, pretendem banir a corrupção do aparelho de Estado. Isso não passa de uma encenação mentirosa. A cada dia que passa, fica cada vez mais claro para muita gente: o que de fato eles pretendem é banir o PT e a esquerda da esfera pública para continuar perpetuando ad aeternum o sistema político corrupto.
Depois de Faoro, encerro invocando uma representação ficcional: nossos donos do poder (FCH é sem dúvida um dos mais orgânicos) são feitos do mesmo barro do Príncipe di Falconeri no genial romance de Lampedusa - O Leopardo. Para di Falconeri, a única mudança permitida é aquela por ele sugerida: tudo deve mudar para que tudo fique como está... O cinismo do Príncipe di Falconeri se repete nas atitudes de soberba senhorial daquele que um dia foi considerado o Príncipe da Sociologia Brasileira.
http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/283267/Lindbergh-critica-a-%E2%80%9Cemp%C3%A1fia-senhorial-de-FHC%E2%80%9D.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário