sexta-feira, 3 de março de 2017

FOLHA PRESSENTE QUEDA DE TEMER E VOLTA A DEFENDER DIRETAS

- Diante das revelações do depoimento de Marcelo Odebrecht e da possibilidade real de Temer cair antes de concluir o mandato, a Folha de S.Paulo voltou a pedir, em editorial nesta sexta-feira, a realização de eleições diretas para a presidência; o jornal da família Frias já havia defendido a tese anteriormente, mas abriu mão dela para defender o golpe pró-Temer; "a esta altura, afinal, a cassação da chapa levaria a uma eleição indireta —por um Congresso sob níveis históricos de descrédito— para os postos de presidente e vice. Melhor seria, defende esta Folha, que uma emenda constitucional impusesse a escolha por voto popular em caso de vacância definitiva da Presidência antes dos seis meses finais de mandato", diz o texto.
Confira o editorial na íntegra:
Realizado nesta quarta-feira (1º), o depoimento do empreiteiro Marcelo Odebrecht ao Tribunal Superior Eleitoral haverá de ter oferecido fundamentos para que se mantenham, ou mesmo se reforcem, as suspeitas de irregularidade nas contas da chapa que reuniu Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB) nas eleições de 2014.
O segredo de Justiça impede que se saiba o teor completo do relato de Odebrecht. O que veio à tona até o momento é suficiente, contudo, para manter em situação difícil tanto Temer e alguns de seus assessores quanto a ex-presidente Dilma e membros de seu partido.
Confirma-se, por exemplo, a realização de jantar no Palácio do Jaburu, durante a campanha eleitoral, no qual Temer e o empresário conversaram sobre contribuições ao PMDB. Teriam sido R$ 10 milhões, dos quais R$ 4 milhões diretamente ao hoje ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.
Boa parte da doação, ao que indica o depoimento, deve ter se dado na forma de caixa dois, sem o devido registro contábil. Fala-se de somas ainda maiores destinadas, também de forma irregular, ao PT.
O Planalto afirma que o pedido de recursos se deu dentro da legalidade; nota oficial de Dilma Rousseff nega o que se divulga do depoimento de Odebrecht.
O processo que pode culminar na cassação da chapa arrasta-se desde 2015 no TSE. A corrida contra o tempo —tendo como prazo o fim do mandato de Temer, em 2018— se dá em diversas frentes.
Do lado governista, cogita-se buscar na Justiça a anulação do depoimento do empreiteiro, entre outras manobras capazes de atrasar o andamento da ação.
Nos próximos meses Temer terá oportunidade de indicar dois novos magistrados, entre os sete que compõem o tribunal eleitoral. Ademais, o próprio ministro relator do caso, Herman Benjamin, deixará a corte em outubro.
Mesmo em caso de eventual derrota no TSE, Temer ainda contará com a opção de recorrer ao Supremo Tribunal Federal. Até lá, pode beneficiar-se de um presumível temor da cúpula do Judiciário em lançar o país em novo turbilhão de crise política e institucional.
A esta altura, afinal, a cassação da chapa levaria a uma eleição indireta —por um Congresso sob níveis históricos de descrédito— para os postos de presidente e vice.
Melhor seria, defende esta Folha, que uma emenda constitucional impusesse a escolha por voto popular em caso de vacância definitiva da Presidência antes dos seis meses finais de mandato.
No campo das possibilidades visíveis, restam a delonga da Justiça e as consequências potencialmente traumáticas de sua decisão.
http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/283084/Folha-pressente-queda-de-Temer-e-volta-a-defender-diretas.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário