quinta-feira, 17 de novembro de 2016

SÉRGIO CABRAL: MESADAS, HELICÓPTEROS, LANCHA, … ASSIM O RIO FALIU

Rio 247 - Reportagem do jornalista Marcelo Auler mostra um pouco da vida luxuosa que levava o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB), preso nesta quinta-feira, 17, pela Polícia Federal na operação Calicute. Cabral é acusado pelo Ministério Público Federal de mesadas das construtoras Andrade Gutierrez (R$ 300.000,00 ou R$ 350.000,00) e da Carioca Engenharia. O governador foi apontado como líder da Organização Criminosa.
O juiz federal Marcelo da Costa Bretas decretou o bloqueio de valores, bens móveis, como uma lancha e um helicópteros, atribuídos a Cabral, e imóveis dos envolvidos e de 44 empresas, entre elas o Resort Portobello Ltda, em Mangaratiba.
O magistrado lembra em sua decisão a falência do Estado do Rio de Janeiro, cuja conta estão querendo repassar aos servidores públicos; "Os casos que envolvem corrupção, de igual forma, têm enorme potencial para atingir, com severidade, um número infinitamente maior de pessoas. Basta considerar que os recursos públicos que são desviados por práticas corruptas deixam de ser utilizados em serviços públicos essenciais, como saúde e segurança públicas".
"Se forem confirmadas as suspeitas iniciais levantadas pelos investigadores e Procuradores da República oficiantes, em especial no que diz respeito à participação do investigado Sérgio Cabral, independente da gravidade dos fatos e suas consequências sobre as finanças públicas tanto do Estado do Rio de Janeiro como da União, estaremos diante de um gravíssimo episódio de traição eleitoral, em que um indivíduo mostra-se capaz de menosprezar a confiança em si depositada por milhões de pessoas, para cargos nos Poderes Legislativos (do Estado e da União) e Executivo (do Estado) e em tantas eleições", diz o magistrado em sua decisão.
O juiz Marcelo Bretas, na decisão, ainda lembra a falência do Estado do Rio de Janeiro, cuja conta estão querendo repassar aos servidores públicos. "A corrosão dos orçamentos públicos, depreciados pelo "custo-corrupção", toda a sociedade vem a ser chamada a cobrir seguidos "rombos orçamentários". Aliás, exatamente essa é a razão que levou o governador do Estado do Rio de Janeiro em exercício a decretar, no dia 17 de junho deste ano, o estado de calamidade pública devido à crise financeira. E esta situação não se dá apenas neste Estado, mas em praticamente todos os entes desta Federação. A própria União, há poucos meses, revelou ao país que a previsão para o resultado orçamentário deste ano de 2016 é de um prejuízo da ordem de mais de 170 bilhões de reais".
Leia na íntegra a reportagem de Marcelo Auler em seu blog.
http://www.brasil247.com/pt/247/rio247/265874/S%C3%A9rgio-Cabral-mesadas-helic%C3%B3pteros-lancha-%E2%80%A6-assim-o-Rio-faliu.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário